Call Center

Salvador e Região Metropolitana (71) 3345 8200
Feira de Santana 4020 8880
Alagoinhas 0800 071 8200
Seg à Sex - 6h às 19h Sábado - 6h às 17h

Blog

Notícias

O Labchecap realiza exames de paternidade

09 de abril0 Comentários

O Labchecap realiza exames de paternidade

O exame para investigação de vínculo genético se baseia na análise do DNA, um padrão de informações genéticas responsável pela transmissão das características dos pais biológicos aos descendentes. O teste é considerado eficaz e completo para a comprovação de filiação paterna ou materna, com mais de 99,999% de precisão.

No Labchecap, o teste de paternidade é feito a partir da análise da saliva, um procedimento preciso, não invasivo, confiável e de valor jurídico. A coleta da amostra é realizada por biomédicos especializados e altamente qualificados para o procedimento.

Nossas unidades realizam o teste de paternidade duo – feito a partir da coleta entre o suposto filho(a) e o suposto pai; e o teste de paternidade trio – realizado entre  a mãe, o suposto filho (a) e o suposto pai.

Para fazer o teste de paternidade é necessário agendar o atendimento. No dia e horário marcado, as partes envolvidas devem apresentar os documentos de identificação e assinar um termo de consentimento. Não é necessária autorização judicial ou requisição médica.  O resultado é disponibilizado em 20 dias.

Diferenciais

Além da coleta não invasiva pela saliva, o cliente pode escolher a unidade mais conveniente para o teste. Atualmente, 13 unidades do Labchecap realizam o exame, sendo 10 em Salvador e Região Metropolitana e duas no interior, nas unidades Feira de Santana e Alagoinhas. O Labchecap dispõe do serviço de coleta domiciliar e facilidade no pagamento, com parcelamento em até 6x sem juros.

Unidades que realizam o exame:

Barra; Canela; Brotas; Labchecap Kids; Caminho das Árvores; Costa azul; Imbuí; Patamares; Itapuã; Stella Mares, Vilas do Atlântico; Feira de Santana e Alagoinhas.

Você também pode ser interessar por:

Saúde

Meningite: conheça os sintomas, tratamento e formas de prevenção da doença

03 de setembro0 Comentários

A meningite é uma doença grave, que se caracteriza pela infecção das membranas que revestem a medula espinhal e o cérebro, atingindo o sistema nervoso central.   É causada por agentes infecciosos e pode acometer adultos e crianças.

O tipo mais comum da doença é o viral, mas também há ocorrência de meningites bacteriana (considerada mais grave) ou causada por fungos. O tratamento ocorre com a pessoa internada e pode variar com o agente etiológico.

A meningite é transmitida pelo contato entre as pessoas e pela via fecal-oral. Os principais sintomas da doença incluem febre, dor de cabeça, enjoos e vômito, rigidez de nuca, e em alguns casos pode ocorrer manchas vermelhas na pele e fotofobia.

Dados da meningite em 2018

Entre os meses de janeiro e junho de 2018, a Bahia registrou 159 casos da doença e 28 óbitos.  No mesmo período do ano passado, o estado notificou e 213 casos e 24 óbitos.

A vacinação é maneira mais segura de proteção contra a meningite

Algumas vacinas contra meningite fazem parte do calendário básico de vacinação do brasileiro. Elas são eficazes e garantem uma proteção prolongada.

Na rede pública, é disponibilizada a imunização para o meningococo do tipo C.  Já nas clínicas particulares, como o Seimi Labchecap, além do tipo C, há a vacina meningocócica contra o tipo B e a meningocócica conjugada ACWY, que protege contra os quatro grupos. Saiba a diferença entre elas:

Meningocócica C conjugada: pode ser administrada a partir do segundo mês de vida, com duas doses no primeiro ano, um reforço no segundo ano, entre 12 e 15 meses. É recomendada uma dose de reforço entre os 5 e 6 anos de idade e outra na adolescência.

Meningocócia B: pode ser administrada a partir do segundo mês de vida, com três doses no primeiro ano e uma dose reforço entre os 12 e 15 meses.  Em crianças,  adolescentes e adultos de até 50 anos que não foram vacinados antes é recomendada a aplicação de duas doses, com intervalor de um mês.

Meningocócica conjugada A,C,W,Y: utilizada a partir dos dois meses de vida, com esquema de duas doses e reforço entre 12 e 15 meses. Recomenda-se reforços aos 5 anos e 11 anos de idade. Para adolescentes e adultos, dose única, com um reforço após 5 anos da data de aplicação, considerando a situação epidemiológica do local.

 

Conte com o Seimi Labchecap para cuidar da sua saúde. Conheça a nossas unidades e escolha a mais próxima de você

Saúde

Saiba a diferença entre alergia e intolerância alimentar

27 de agosto0 Comentários

A prevalência de alergia e intolerância alimentar parece estar aumentando no mundo. Os casos estão crescendo e despertando o interesse das pessoas, que estão ficando mais preocupadas com o tema. Apesar de sintomas parecidos, essas duas reações possuem origem e requerem cuidados diferentes. Entenda a diferença entre alergia e intolerância alimentar.

A alergia corresponde a uma reação imunológica em que o organismo reage de maneira exagerada à presença de determinados alimentos e/ ou suas proteínas. Já a intolerância pode ser definida como uma desordem metabólica em que o organismo apresenta uma deficiência enzimática e não consegue digerir completamente um grupo de alimentos.

A outra diferença entre elas está associada ao tempo e tipo de reação no organismo. Na alergia, a reação é imediata e pode se manifestar na pele, no sistema gastrointestinal e respiratório, causando inchaço nos lábios, falta de ar, diarreia, coceira e até mesmo um choque anafilático. Os efeitos da intolerância podem levar um tempo para se manifestarem e costumam estar associados ao sistema digestivo, se apresentando como enjoos, dor de barriga e gases.

Diagnóstico para alergia e intolerância

O diagnóstico para essas duas reações do organismo pode ser feito através de exames laboratoriais. Os exames para confirmação da intolerância alimentar apresentam resposta imunológica mediada pela Imunoglobulina G (IgG) e os exames de alergia apresentam resposta imunológica mediada por Imunoglobulina E (IgE).

Conheça os principais causadores de intolerância e alergia

Entre os principais causadores de alergia, podemos destacar:

Os principais causadores de intolerância são:

  • Leite e seus derivados
  • Grãos com glúten
  • Banana
  • Frutas cítricas
  • Vinho tinto
  • Produtos com corantes

No Labchecap, você conta com mais de 80 tipos de exames laboratoriais que auxiliam no diagnóstico de alergias e intolerâncias.  Conheça o pacote de check-up para alergia do Labchecap.

Responsável Técnico de Laboratório: Dr. Josemar Fonseca Silva – CRF 1290

Responsável Técnico de Imagem: Dr. Lucas da Gama Lobo – CRM 16202