Call Center

Salvador e Região Metropolitana (71) 3345 8200
Feira de Santana 4020 8880
Alagoinhas 0800 071 8200
Seg à Sex - 6h às 19h Sábado - 6h às 17h

Blog

Saúde

Glicemia de jejum e hemoglobina glicada: exames auxiliam na detecção e monitoramento do diabetes

13 de junho0 Comentários

Você já ouviu falar em glicemia de jejum e hemoglobina glicada? Eles são os principais exames para detecção e monitoramento do diabetes  tipo 1 e tipo 2. Sempre requisitado pelos profissionais da saúde em revisões de rotina, são responsáveis por medir a quantidade de glicose no sangue.

A glicemia de jejum, também conhecida como exame de glicose, identifica se há hipo ou hiperglicemia. Ele indica se há pouca ou muita concentração de açúcar na corrente sanguínea no momento da coleta.

hemoglobina glicada  é o exame que fornece informação sobre a média glicêmica, identificando o histórico da glicemia do paciente a partir da concentração de glicose na célula nos últimos três meses, o que permite o diagnóstico mais preciso. O exame também contribui para avaliação da adesão do paciente ao tratamento para diabetes.

Indicação e coleta

Não há restrição de idade para realização desses dois exames.  Ambos são realizados a partir da coleta de sangue, realizada no laboratório. Os exames podem ser realizados em todas as unidades Labchecap.

Para o exame de glicemia de jejum é necessário estar em jejum pelo período de 8 horas, não haver ingerido bebida alcoólica nas 24 h que antecedem a coleta e não realizar esforço físico no dia do exame.  Já para o exame de hemoglobina glicada não é necessário preparatório.  O resultado é emitido no prazo de 1 dia.

 

Você poderá se interessar por:

Você também pode ser interessar por:

Saúde

Imunização contra o Sarampo: quem deve se vacinar?

07 de agosto0 Comentários

A vacina contra o Sarampo é a medida mais eficaz de prevenção contra a doença. Prevista no calendário básico de vacinação do brasileiro, costuma ser administrada ainda na infância. Adultos que não foram imunizados adequadamente também devem se vacinar.

O calendário de vacinação contempla dois tipos de vacina contra o sarampo: a tríplice viral, que também protege contra a caxumba e rubéola; e a tetra viral, que ainda inclui a proteção contra a varicela (catapora).  Ambas são administradas por meio de uma injeção intradérmica.

A vacina deve ser administrada ainda na infância, em duas doses. A primeira aos 12 meses e a segunda aos 15 meses. Adolescentes e adultos de qualquer idade, que não tenham sido vacinados, também devem se imunizar.

Surto de sarampo

Neste período em que voltam a aparecer casos de sarampo no Brasil, uma doença que era considerada eliminada do país, o estado da Bahia está usando a estratégia de vacinar todas as crianças com idade inferior a cinco anos, independente de ter o registro da vacina ou não.  Crianças com idade a partir de cinco anos serão vacinadas se não tiverem comprovação da vacinação e adolescentes e adultos se não tiverem tido a doença e não tenham comprovação da utilização de duas doses acima de cinco anos.

As vacinas são disponibilizadas através do Sistema Único de Saúde e nas clínicas particulares, como o Seimi Labchecap, no entanto, os postos de saúde contemplam apenas as vacinas do tipo tríplice viral.  Já nas clínicas particulares, é possível encontrar, além da tríplice, a tetra viral, que também protege  contra a catapora e ajuda a reduzir o número de furadas.

É considerada protegida a pessoa que tomou as duas doses após um ano de vida, com intervalo de um mês. Se não tem comprovação de uso, é importante se vacinar.

Contra –indicações

A vacina contra sarampo não é indicada para gestantes, pessoas com comprometimento da imunidade por doença ou medicação; e pessoas alérgicas aos componentes da vacina.

Conte com o Seimi abchecap para cuidar da sua saúde. Conheça a nossa unidade e escolha a mais próxima de você

Saúde

Hepatite A em criança: saiba como prevenir

10 de agosto0 Comentários

A hepatite A é uma doença infecciosa caracterizada pela inflamação do fígado. É o tipo que mais afeta as crianças e está associada à falta de saneamento e má higienização dos alimentos.

O vírus pode ser transmitido pelo contato entre uma pessoa infectada com uma saudável, através de alimento, água contaminada e por via fecal-oral.  Também conhecida como hepatite infantil, a doença é assintomática. Nos casos mais graves, pode manifestar sintomas similares ao de uma gripe, como:

  • febre
  • dores musculares
  • cansaço
  • mal-estar
  • falta de apetite
  • enjoo e vômito

Diagnóstico e prevenção da hepatite A

O diagnóstico da hepatite A se dá por meio a observação dos sintomas e da realização de exames laboratoriais. Não existe um tratamento específico para doença e na maioria das vezes ela se resolve espontaneamente.  Apesar de não ser tão comum, pode apresentar complicações e evoluir para um quadro de hepatite fulminante.

A melhor forma de prevenir as crianças contra hepatite A é através da imunização. A vacina é dada por meio de uma injeção intramuscular e é indicada para crianças e adultos, a partir dos 12 meses de vida.

Elas são disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que tem como público-alvo crianças com idade entre 1​5 meses  e  quatro anos. Nas clínicas particulares, como Seimi Labchecap, as doses podem ser administradas em crianças a partir de 12 meses, adolescentes e adultos.

Manter o calendário vacinal atualizado é muito importante para a saúde.  Clique aqui e saiba quais são as orientações específicas para cada faixa etária da vida e conte com o Seimi Labchecap para a sua proteção.

Responsável Técnico de Laboratório: Dr. Josemar Fonseca Silva – CRF 1290

Responsável Técnico de Imagem: Dr. Lucas da Gama Lobo – CRM 16202