Call Center

Salvador e Região Metropolitana (71) 3345 8200
Feira de Santana 4020 8880
Alagoinhas 0800 071 8200
Seg à Sex - 6h às 19h Sábado - 6h às 17h

Blog

Saúde

Entrevista: médica infectologista Ceuci Nunes esclarece principais dúvidas sobre o HPV

10 de julho0 Comentários

O papiloma vírus humano (HPV) é uma das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) mais recorrentes no mundo. Pode causar doenças em homens e mulheres, como as verrugas e câncer.

A Organização Mundial da Saúde estima que o HPV infecte 65% das mulheres no mundo na primeira relação sexual.  No Brasil, a previsão é de que 75% das brasileiras sexualmente ativas entrem em contato com o HPV ao longo da vida.  Um estudo publicado pelo Ministério da Saúde em 2017 apontou que a doença afeta 54,6 %, dos jovens brasileiros com idade entre 16 e 25 anossendo que 38,4são de tipos de alto risco para o desenvolvimento de câncer.

Com o objetivo de esclarecer as principais dúvidas sobre o HPV, a médica infectologista Ceuci Nunes fala dos métodos de prevenção, sintomas e a relação da doença com o câncer de colo de útero.

Ascom Labchecap: Qual a relação entre o HPV e o câncer de colo de útero?

Dra Ceuci Nunes: Mais de 95% dos casos de câncer de colo do útero estão associados ao HPV. Isso não quer dizer que toda mulher que tiver contato com a infecção desenvolverá a doença, mas significa que 95% das mulheres que desenvolveram a doença em algum momento tiveram contato com os tipos oncogênicos do HPV.

Ascom Labchecap: Você poderia explicar melhor?

Dra Ceuci Nunes: Existem mais de 200 subtipos do vírus do papiloma humano no mundo.  Entre eles, apenas 12 são considerados oncogêncios, ou seja: apresentam uma maior probabilidade de causar lesões mais persistentes que, quando não tratadas, podem evoluir para um câncer.  O HPV 6 e o 11  são considerados não oncogênicos e são encontrados em 90% dos condilomas genitais e papilomas laríngeos.  Já o HPV 16 e o 18 estão presentes em 70% dos casos de câncer do colo do útero.

Ascom Labchecap:  O câncer de colo de útero é o único tipo de câncer que o HPV pode causar?

Dra Ceuci Nunes: Não. Além de estar associado a outros tipos de câncer na mulher, como de vulva e vagina, pode causar câncer de pênis. Está também associado a câncer de ânus, orofaringe (garganta) e boca. Por isso, tanto homens quanto mulheres devem adotar cuidados preventivos e conversar periodicamente com o médico.

Ascom Labchecap: Quais são os sintomas e qual a especialidade médica que a pessoa deve procurar em caso de suspeita?

Dra Ceuci Nunes: Nem sempre a pessoa infectada pelo HPV apresenta algum quadro perceptível relacionado ao vírus. Entretanto, a ausência de sintomas não impede a transmissão da infecção. Por isso é fundamental que as mulheres se consultem anualmente com o ginecologista e os homens com o urologista. A avaliação de rotina pode detectar a doença, mesmo nos casos de pessoas assintomáticas, ou seja: sem manifestação de um quadro clínico definido.

Ascom Labchecap: A quais manifestações clínicas a população deve estar atenta?

Dra Ceuci Nunes: A manifestação mais comum é o surgimento de verrugas na região genital – chamados condilomas ou popularmente cavalo de crista – e na cavidade oral. Outras manifestações são lesões pré-cancerígenas, como o NIC (Neoplasia Intraepitelial Cervical) e o câncer, principalmente de colo de útero e os demais já citados. A depender do quadro clínico apresentado, outras especialidades podem ser consultadas como o infectologista, dermatologista, otorrino ou clínico geral. O importante é que existe tratamento para a grande maioria dos casos e a detecção precoce e o tratamento de lesões pré-cancerígenas impedem a evolução para o câncer.

Ascom Labchecap: Quais as principais medidas preventivas?

Dra Ceuci Nunes: O uso do preservativo durante as relações sexuais é importante, mas é uma prevenção parcial. Isso porque a doença pode ser transmitida pelo contato físico no ato sexual, mesmo sem penetração. A vacina é a principal forma de prevenção. Pode e deve ser utilizada mesmo após o início da vida sexual e estudos mostram uma proteção mais prolongada quando utilizada mais precocemente. Por isso a indicação a partir dos nove anos.

Ascom Labchecap: Quais são os tipos de vacinas ofertadas e quem deve tomar?

Dra Ceuci Nunes: Existem dois tipos de vacina: a bivalente, que protege dos vírus de tipo 16 e 18 e tem como objetivo a prevenção de câncer de colo uterino e a quadrivalente, que além dos tipos 16 e 18, contém os tipos 6 e 11, ampliando a proteção para verrugas genitais. Elas devem ser tomadas a partir dos 9 anos, em esquemas de duas ou três doses, dependendo da vacina e da idade da pessoa que vai ser vacinada. Para as mulheres as duas estão liberadas e para os homens apenas a quadrivalente é indicada.

Ascom Labchecap: Onde as vacinas podem ser encontradas?

As vacinas são ofertadas na rede particular e na rede pública de saúde. A campanha do SUS utiliza a quadrivalente e tem como público-alvo meninas entre 9 e 14 anos, meninos entre os 11 e 14 anos  e mulheres portadoras de HIV com idade entre 9 e 26 anos de idade. Na rede particular, a vacina pode ser utilizada por mulheres entre os 9 e 45 anos – tanto a bi quanto a quadrivalente – e a quadrivalente para homens com idade entre os 9 e 26.  Na rede privada, a vacina pode ser aplicada fora destas faixas etárias estabelecidas, por orientação e prescrição médica.

Você também pode ser interessar por:

Sem categoria

Vacina BCG: conheça uma das primeiras vacinas da vida do bebê

05 de novembro0 Comentários

A BCG, junto com a Hepatite B, são as primeiras vacinas indicadas para o recém-nascido. Ela protege contra as formas graves da tuberculose, uma doença infectocontagiosa e muito frequente no Brasil.  É indicada para todas as crianças, que devem utilizá-la no primeiro mês de vida, de preferência ainda na maternidade.

Ela protege, em mais de 80%, contra as formas mais graves e disseminadas da doença, como a meningite tuberculosa e a tuberculose miliar.

A BCG é popularmente conhecida como a vacina da marquinha. É uma injeção intradérmica, aplicada no braço direito, que apresenta como resposta imunológica o aparecimento de uma reação no local de aplicação.  Essa reação, popularmente conhecida pela marquinha na pele, pode demorar até três meses para aparecer e  indica que a vacina foi capaz de estimular a imunidade na pessoa.

Quando a reação local não aparece é preciso consultar um profissional de saúde. Ele deverá verificar se houve uma resposta discreta – quando a marquinha é muito pequena – ou falha vacinal. Em alguns casos, pode ser necessária a aplicação de uma nova dose, conforme a orientação profissional.

Contraindicações

As contraindicações da vacina são muito raras e o pediatra vai informá-lo se o seu bebê apresentar alguma delas

Onde encontrar

A BCG integra o calendário básico de vacinação e pode ser encontrada no SUS e nas clínicas particulares, como o Seimi Labchecap,  que ainda oferece o serviço de atendimento domiciliar.

Conte com o Seimi Labchecap para cuidar da saúde do seu bebê. Vacina disponível nas unidades Seimi Labchecap. 

Sem categoria

Novembro Azul Labchecap: troque o preconceito pela prevenção

01 de novembro0 Comentários

O mês de novembro é dedicado à conscientização dos homens a respeito de doenças masculinas. O movimento Novembro Azul tem ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Neste ano, a campanha do Labchecap trata da importância da atenção à saúde.  Além da adoção de hábitos mais saudáveis, como a prática de atividade física e uma alimentação balanceada, é preciso criar a rotina de fazer visitas regulares ao médico, uma medida preventiva que contribui para a detecção precoce de doenças e, consequentemente, cura ou minimização dos agravos de saúde.

Para o Labchecap, a saúde do homem é um tema que precisa ser conversado.

Pacote Novembro Azul – agende agora 

Assim como aconteceu no Outubro Rosa, o Labchecap lançou um pacote especial de prevenção para os homens. O pacote Novembro Azul contempla 14 exames laboratoriais, em todas as unidades Labchecap

  • Hemograma
  • Glicemia
  • Colesterol Total e Frações
  • Triglicérides
  • TGO, TGP e GGT
  • Ácido Úrico
  • Sumário de Urina
  • PSA Total
  • Testosterona Total
  • TSH
  • T4 Livre

Além de exames laboratoriais, o Labchecap realiza exames de imagem que auxiliam no diagnóstico do câncer de próstata, como a ultrassonografia da próstata. Consulte o seu médico e conte com o Labchecap.  Agende aqui o seu exame de imagem. Labchecap. Mais do que perto, cuidando de você.

Para mais informações sobre os exames e os pacotes, os clientes devem entrar em contato com a Central de Atendimento pelo número (71) 3345-8200.

Responsável Técnico de Laboratório: Dr. Josemar Fonseca Silva – CRF 1290

Responsável Técnico de Imagem: Dr. Lucas da Gama Lobo – CRM 16202