Exames de imagem em crianças e lactantes | Labchecap
Exames de imagem em crianças e lactantes
Exames de imagem em crianças e lactantes

De acordo com a Scientific Electronic Library Online – SciELO, biblioteca eletrônica que abrange uma coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros, exames de imagem são frequentemente realizados durante a gestação para avaliar afecções maternas preexistentes, inerentes à gravidez ou relacionadas ao feto. Os métodos mais difundidos são aqueles com pouco ou nenhum efeito sobre o feto, tais como a ultrassonografia e, mais recentemente, a ressonância magnética. Mas atenção, a ressonância magnética só pode ser realizada na gestante depois de 12 semanas, antes disso não está indicado.

A Doutora Luana Sarmento (CRM 25201), informa que os principais exames de imagem indicados durante o pré-natal são as ultrassonografias obstétricas morfológicas do 1º e 2º trimestres com ou sem doppler e a ecocardiografia fetal. “As ultrassonografias morfológicas têm um período específico no qual precisam ser feitas, sendo a do 1º trimestre entre 11-14 semanas e a do 2º trimestre entre 20-24 semanas. A ecocardiografia fetal pode ser feita a qualquer momento após o 2º trimestre, mas o melhor período para sua realização é entre 24-28 semanas”, informa a médica do Labchecap.

Exames de mamografia podem ser feitos em lactantes?

Segundo nossa especialista em radiologia mamária, Doutora Lucila Amaral (CRM23436), não há contraindicação para exames de mamografia em lactantes. Mulheres que estão amamentando podem fazer o exame. “A mamografia é um exame que utiliza raios-x para aquisição da imagem mamária. A dose de radiação para realizar este exame é muito baixa, com risco mínimo à exposição, especialmente quando comparado ao benefício do diagnóstico precoce e redução da mortalidade pelo câncer de mama”, informa a médica.

Vale ressaltar que os exames morfológicos do 1º e 2º trimestre tem como objetivo demonstrar a vitalidade fetal; confirmar a datação da gravidez; determinar o número de fetos e placentas em casos de gestações múltiplas; identificar malformações fetais e rastrear síndromes do número de cromossomos, como a síndrome de Down. Já a ultrassonografia morfológica do 2º trimestre, busca detectar anomalias fetais, rastreamento de síndromes do número de cromossomos (como a síndrome de Down) e estratificação de risco para trabalho de parto prematuro. Em suma, os exames de mamografia, ultrassonografias e afins não podem sair do cronograma de cuidados da mulher.

Existe uma idade certa para começar com exames de imagem em crianças?

A resposta para essa pergunta é não. De acordo com Dra. Denise Mattedi (CRM9096), Radiologista Pediátrica do Labchecap, as crianças têm doenças próprias da infância bem como as congênitas, que devem ser avaliadas com exames de imagem para diagnóstico preciso, seja radiografia, tomografia computadorizada, ultrassonografia ou ressonância magnética.

“O que é preconizado é que devemos expor o mínimo possível as crianças aos efeitos dos raios ionizantes presentes no raio-x e na tomografia computadorizada, devendo ter critérios de avaliação e a verdadeira necessidade de tal exame, evitando assim tanta exposição, mas lembrando que são excelentes exames de avaliação e diagnóstico de patologias durante a infância. Por isso os pediatras, de um modo geral, optam pelo exame de ultrassonografia e ressonância magnética”, informa a radiologista.

 

Importante: Reforçamos que os exames de imagem citados nesta matéria, devem ser prescritos pelo médico responsável. A sua saúde importa. E o Labchecap cuida de você.