Tire sua dúvida sobre vacina - Seimi
Dúvidas Frequentes
Conheça as perguntas mais recorrentes sobre vacina e tire suas dúvidas.

Sim, inclusive pode utilizar as vacinas orais.

Sim, até 72 horas após o contágio. Neste caso, a vacina pode evitar ou atenuar a doença.

O desenvolvimento de anticorpos ocorre em média, após 15 dias da aplicação vacinal.

Se a outra vacina for viral atenuada oral (Sabin), elas podem ser aplicadas no mesmo dia ou com qualquer intervalo de tempo entre elas. Se a(s) outra(s) vacina(s) for(em) do tipo viral atenuada parenteral (tríplice viral, varicela, febre amarela), elas podem ser feitas no mesmo dia ou com qualquer intervalo de tempo em relação à vacina de rotavírus. Se a(s) outra(s) vacina(s) for(em) vacina(s) do tipo inativadas (DTPa, Salk, hepatite A, hepatite B, Haemophilus influenzae B, meningococo, pneumococo,etc), elas podem ser aplicadas no mesmo dia ou com qualquer intervalo de tempo em relação à vacina de rotavírus.

A vacinação da gestante é muito importante para proteção do recém-nascido e da própria mãe. Durante a gestação em geral a maior preocupação é com as vacinas de hepatite B, gripe, tétano/difteria/coqueluche.
Em função da epidemiologia atual, com muitos casos de coqueluche ocorrendo em vários estados do Brasil, inclusive na Bahia, a vacina tríplice acelular do adulto que contem o componente coqueluche, é muito importante de ser utilizada não só pela gestante, mas também, pelas pessoas que convivem e cuidam do recém-nascido.
As vacinas atenuadas são contra-indicadas em gestantes (Tríplice Viral, Varicela e Febre Amarela). Em gestantes com condições especiais de saúde entre elas cardiopatias, pneumopatias, HIV/aids, diabetes mellitus, outras vacinas podem ser indicadas após avaliação médica cuidadosa.

Algumas vacinas que tem na sua composição microrganismos vivos (sarampo, caxumba, rubéola, varicela, febre amarela) podem apresentar como evento adverso uma reação vacinal semelhante a uma forma muito branda da doença que é autolimitada.

Completa-se o esquema, não é preciso recomeçar do zero. Toda dose de vacina administrada é aproveitada em função da memória imunológica do indivíduo e por esta razão só há necessidade de completar o restante do esquema vacinal. Exceção é a vacina contra cólera, pois se o intervalo entre as doses não for respeitado o esquema deve ser recomeçado. Do mesmo modo a antecipação de uma dose de vacina só é válida se essa dose for realizada até 4 dias antes do intervalo mínimo preconizado.

Na ausência ou dúvida da informação o indivíduo tem que fazer a revacinação. Por essa razão a vacina de febre amarela só deve ser aplicada em locais credenciados para tal como no Posto de Saúde (serviço público) ou em Clinica Privada credenciada pela ANVISA e pela SBIM. No ato da aplicação deve ser registrado o fabricante, data da aplicação, lote e validade do produto. Somente com esses dados é possível fazer o registro no cartão específico, que é exigido para o viajante entrar em alguns países, conforme recomendação do Regulamento Internacional de Saúde. Quando necessário a revacinação deve ocorrer após 10 anos da dose anterior.

Várias vacinas podem ser feitas no mesmo dia, desde que autorizadas tecnicamente através de estudos científicos. Elas devem ser aplicadas nas suas apresentações individuais e em locais anatômicos distintos. Sabemos que a aplicação simultânea de vacinas não aumenta os eventos adversos.

A vacina contra Rotavírus não deve, de forma alguma, ser aplicada fora das faixas etárias estabelecidas, porque nos estudos realizados com a vacina anterior, foi documentado um maior risco de invaginação intestinal em crianças que utilizaram a vacina fora da faixa etária preconizada. As duas vacinas atualmente em uso foram avaliadas em faixas etárias bem estabelecidas, o que deve ser rigorosamente respeitado.

Deve-se evitar o uso de salicilatos, como a aspirina, até seis semanas após a aplicação, porque esta associação pode causar a síndrome de Reye (inflamação cerebral e hepática), doença rara, que pode ser letal.

A primeira contra indicação é alergia a algum componente da vacina. Para avaliar esta condição, quando você vai se vacinar no SEIMI passa por uma triagem cuidadosa, quando você responde um questionário sobre sua saúde incluindo histórico de alergia alimentar e/ou medicamentosa. Contudo, existe o risco, embora raro, da ocorrência de uma reação alérgica a algum componente da vacina que o individuo não sabia ser previamente alérgico.
Além disso, existem condições especiais de saúde onde a vacina pode ser contra-indicada ou adiada em função das alterações na imunidade do indivíduo.

Exemplos:

1- Imunodeficiências:
– Congênita, – Adquiridas: neoplasias, tratamento com corticóides em doses imunossupressoras, transplantados de medula e órgãos sólidos, HIV/aids, etc.

2- Gravidez.

3- Doenças agudas febris graves.

4- Transfusão de sangue e derivados e outras.
Nessas situações é importante a avaliação de um médico para melhor decidir sobre o esquema vacinal mais adequado.

A diferença entre a vacina Sabin e Salk é que a Sabin é ministrada via oral, obtida a partir do vírus vivo atenuado, induz maior imunidade de mucosa, tendo a vantagem de ser de fácil administração. Contudo, a Sabin raramente pode levar a paralisia como evento adverso. Enquanto a Salk é uma vacina injetável e obtida a partir do vírus mortos, tendo como evento adverso dor no local da aplicação. Ambas são eficazes.
A vacina Sabin ainda é utilizada no Brasil mas a criança só deve utilizar essa vacina após ter recebido pelo menos duas doses da vacina Salk.

As vacinas contra a bactéria conhecida como pneumococo podem ser conjugadas ou polissacarídicas. As vacinas conjugadas disponíveis no momento são a 10 e a 13 valente, com os respectivos números de sorotipos do pneumococo. As vacinas conjugadas são utilizadas na rotina a partir dos 2 meses de vida, com a vantagem de induzirem memória imunológica e protegerem não só o indivíduo vacinado como também outras pessoas da comunidade, porque evitam o estado de portador dessa bactéria em orofaringe na pessoa vacinada. Sempre que possível o esquema primário deve ser feito com a mesma vacina.
A vacina polissacarídica com 23 sorotipos deve ser utilizada em todas as pessoas acima de 60 anos de idade.
Indivíduos portadores de condições de saúde que tenham diminuição da imunidade devem fazer esquema com os dois tipos de vacina, a 13 valente e em seguida a 23 valente, devendo antes ser avaliado por um médico.

A vacina DPT (tríplice bacteriana) protege contra difteria, tétano e coqueluche. A DPT convencional utiliza na sua preparação a bactéria da coqueluche inteira. A acelular utiliza componentes purificados da bactéria e pode ter uma apresentação infantil (DTpa) e adulto (dTpa) . Essas vacinas se constituem a base de combinação de vacinas e por isso em geral são utilizadas conjuntamente na mesma aplicação com outras vacinas como hepatite B, Salk, H influenzae, etc.

Só existem restrições para engravidar com as vacinas do tipo viral atenuado como rubéola, varicela (catapora) e febre Amarela. A gravidez só deve ocorrer 30 dias após a vacinação. Para as demais, não existem contra-indicações.

Nessa situação a criança deve ser avaliada por um médico pois nem sempre há necessidade de revacinação. Cada caso deve ser avaliado individualmente pelo médico.