Teste do pezinho pode detectar doenças raras | Labchecap
Teste do pezinho pode detectar doenças raras
Teste do pezinho pode detectar doenças raras

O teste do pezinho é um exame fundamental para o diagnóstico de doenças raras em bebês. De acordo com o Ministério da Saúde, o teste detecta precocemente doenças metabólicas, genéticas e infecciosas, que poderão causar alterações no desenvolvimento neuropsicomotor do recém-nascido. Hoje (06) é comemorado o Dia Nacional do Teste do Pezinho, data instituída por lei que possui como objetivo ressaltar a importância e a obrigatoriedade da coleta de sangue.

O órgão ainda informa que a coleta deve ser feita, preferencialmente, entre o 3° e o 5° dia de vida e sempre após 48 horas da primeira amamentação/alimentação do recém-nascido. Não há impedimento para as crianças que passarem do prazo indicado, porém, quanto mais cedo for realizada a coleta mais precocemente será iniciado o tratamento dos pacientes afetados. Segundo o pediatra Dr. Renan Nery (CRM 22631), todas as doenças identificadas são relevantes pois sem o tratamento precoce, impactam de forma muito negativa na evolução da criança.

É possível desenvolver as doenças mesmo com o diagnóstico precoce?

Especialista em Pediatria e Neonatologia, Dr. Renan elucida que, dependendo da doença pesquisada, a detecção precoce visa medidas paliativas para evitar a rápida progressão da doença e a proposta de um tratamento que a cure. “Outras doenças como o hipotireoidismo, caso seja detectado precocemente, evita a manifestação da doença em si”.

A Sociedade Brasileira de Pediatria esclarece que no recém-nascido, o Hipotireoidismo Congênito (HC) costuma ser assintomático ou cursa com manifestações inespecíficas e de instalação lenta, o que torna o diagnóstico clínico difícil. Programas de triagem neonatal foram desenvolvidos para possibilitar o diagnóstico e o tratamento em tempo hábil, a fim de evitar o retardo mental.

O que acontece caso o resultado do teste der positivo?

Conforme explica Dr. Renan, por ser um teste altamente sensível, um resultado alterado demanda encaminhamento à especialista para prosseguimento na investigação para a confirmação da doença ou não. “É muito comum o teste do pezinho vir alterado e após avaliação adequada ser excluída a doença”, informa o médico. A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia informa que os recém-nascidos que apresentarem resultado positivo na triagem neonatal devem realizar exames específicos para confirmação.

O órgão ressalta ainda que o teste não deve ser feito antes das 48 horas de vida, pois pode sofrer influência das alterações hormonais e metabólicas que naturalmente acontecem com a transição da vida fetal para a vida pós-natal, e que demoram até dois a três dias para atingir o equilíbrio. No caso da fenilcetonúria, é necessário que o recém-nascido tenha recebido alimentação proteica (leite) por, no mínimo, 24 horas antes da coleta.

Qualidade de Vida e Saúde

O Dia Nacional do Teste do Pezinho busca alertar a população para a importância do exame preventivo. O propósito é impedir o desenvolvimento de doenças que, caso não sejam tratadas, podem levar à deficiência intelectual entre outros prejuízos à qualidade de vida dos bebês. O exame feito com a amostra de poucas gotas de sangue, permite identificar doenças graves, por isso, é muito importante a sua realização.

No Labchecap, realizando exames de pré-natal a mamãe conta com a taxa de deslocamento gratuita tanto para a realização do teste do pezinho, quanto para o primeiro esquema vacinal do bebê. Uma ajuda muito especial para manter o recém-nascido no conforto e segurança do lar, evitando exposição a doenças, principalmente neste período de pandemia.

Consulte condições: (71) 3345-8200.

Somente um médico pode diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações desta matéria possuem apenas caráter educativo.